Descumprimento das Medidas Protetivas de Urgência pela mulher

Em meio aos debates sobre as desigualdades de gênero no sistema jurídico, surge uma discussão cada vez mais acalorada sobre a aplicação e as consequências das medidas protetivas estabelecidas pela Lei Maria da Penha. Notadamente, quando uma mulher descumpre as medidas protetivas de urgência impostas e não enfrenta as mesmas consequências legais que um homem enfrentaria em circunstâncias semelhantes. Este cenário levanta questionamentos sobre a equidade e os princípios de justiça dentro do próprio sistema legal. A interpretação pacificada em tribunais sobre este assunto e a técnica advocatícia habilidosa são essenciais para navegar neste complexo espectro legal.

Violação das medidas protetivas de urgência pela própria ofendida

Quando discutimos a Lei Maria da Penha, geralmente focamos na proteção das vítimas de violência doméstica. No entanto, um aspecto menos discutido, mas igualmente importante, é o que ocorre quando a própria ofendida viola as medidas protetivas de urgência que foram estabelecidas para sua proteção. Nestes casos, a legislação atual parece oferecer um tratamento diferenciado, pois a ofendida, ao desrespeitar as restrições impostas, raramente enfrenta penalidades legais por tais atos.

Este cenário não apenas questiona a eficácia das medidas protetivas, mas também levanta preocupações sobre a igualdade de responsabilidade legal entre os gêneros em situações de violência doméstica. A falta de consequências para a violação das medidas pela ofendida pode, em alguns casos, reduzir a gravidade percebida dessas ordens judiciais e diminuir sua efetividade como ferramenta de proteção.

Portanto, é crucial que o sistema jurídico reavalie como as violações das medidas protetivas são tratadas, buscando garantir que a aplicação e as consequências dessas proteções sejam equânimes e eficazes para todos os envolvidos.

Crime de descumprimento de medidas protetivas de urgência

O descumprimento de medidas protetivas de urgência é tipificado como crime pelo artigo 24-A da Lei Maria da Penha. Esta norma penaliza qualquer pessoa que desrespeita as determinações judiciais destinadas a proteger a integridade física e psicológica das vítimas de violência doméstica. Essas medidas podem incluir, por exemplo, a proibição de aproximação da vítima ou de contato com ela por quaisquer meios.

A gravidade deste crime reside no fato de que a desobediência às medidas protetivas pode colocar a vida ou a segurança da vítima em risco iminente. Tradicionalmente, a aplicação desta lei visa coibir que agressores continuem a perpetrar abusos, garantindo um espaço seguro para que a vítima possa buscar recuperação física e emocional sem temores adicionais.

No entanto, nas situações em que a ofendida é quem viola as medidas, o tratamento legal tende a ser mais leniente, um aspecto que tem gerado intensos debates sobre a necessidade de reformas na legislação, visando assegurar a isonomia e a efetividade das medidas protetivas. A necessidade de uma abordagem mais equilibrada é urgente para garantir que as leis de proteção não sejam apenas simbólicas, mas efetivamente coercitivas e dissuasivas.

Inaplicabilidade do crime de descumprimento de medidas protetivas de urgência à mulher ofendida

A legislação atual, embora eficaz em muitos aspectos, mostra-se ambígua ao lidar com situações onde a mulher ofendida descumpre as medidas protetivas de urgência estabelecidas em seu favor. Conforme o entendimento jurídico vigente, quando a ofendida não adere às restrições impostas por medidas protetivas, como por exemplo, aproximar-se do agressor contra quem as medidas foram inicialmente formuladas, ela raramente é responsabilizada pelo crime de descumprimento de medidas protetivas de urgência.

Esta inaplicabilidade tem fundamento na interpretação de que tais medidas são criadas para proteger a ofendida e não para restringi-la, o que gera um espaço de certa leniência quando é ela quem as viola. Contudo, isso pode eventualmente comprometer a eficácia das medidas protetivas, visto que a violação, independentemente pelo agressor ou pela vítima, pode reestabelecer um cenário de risco para ambas as partes.

Além disso, cria-se um debate acerca da igualdade jurídica e da necessidade de revisão desta abordagem para assegurar que as medidas protetivas cumpram seu papel de forma integral, protegendo efetivamente a integridade da mulher ofendida, ao mesmo tempo que sustentam a seriedade e o respeito à lei, independentemente de quem seja o autor do descumprimento.

Consequências legais pelo descumprimento das medidas protetivas de urgência pela mulher

Embora a legislação vigente não preveja explicitamente penalidades severas para mulheres que descumprem as medidas protetivas de urgência designadas para sua proteção, há consequências legais indiretas e situações que podem comprometer sua segurança e o tratamento judicial subsequente. A falta de cumprimento pode levar a uma reavaliação das medidas protetivas pelo juiz, que pode decidir por ajustá-las ou até mesmo revogá-las, dependendo das circunstâncias específicas e do contexto apresentado pelo advogado responsável.

Essa flexibilidade na aplicação das consequências pelo descumprimento reflete a compreensão de que as medidas são, antes de tudo, um mecanismo de proteção, e não de punição para a vítima. No entanto, essa abordagem pode ser vista como um “ponto fraco” por alguns juristas e defensores dos direitos das vítimas, que argumentam que um tratamento igualitário em termos de responsabilidade legal poderia potencializar a eficácia dessas medidas.

Além disso, o descumprimento das medidas por parte da mulher ofendida pode, eventualmente, ser utilizado pelo agressor como uma ferramenta em sua defesa legal, argumentando que a falta de aderência às medidas indica uma menor necessidade de proteção ou uma discordância em relação à gravidade alegada da situação inicial. Portanto, é essencial que tanto a vítima quanto o sistema jurídico considerem cuidadosamente as implicações de qualquer violação das restrições impostas.

Revogação das medidas protetivas de urgência pelo descumprimento das condições impostas pela própria ofendida

A revogação das medidas protetivas de urgência é uma possibilidade jurídica que ocorre quando há descumprimento das condições impostas, inclusive pela própria ofendida. Esse cenário se desdobra quando a ofendida, deliberadamente ou por negligência, não segue as restrições estabelecidas, como manter distância do agressor. Tal comportamento pode levar o judiciário a questionar a necessidade ou a eficácia das medidas inicialmente impostas.

Embora a revogação não seja automática e dependa de uma análise criteriosa do caso pelo juiz responsável, o descumprimento das medidas pela ofendida serve frequentemente como argumento para o agressor ou sua defesa no sentido de minimizar a percepção do risco ou da necessidade dessas proteções. Esse aspecto é crucial, pois implica a responsabilidade da ofendida em manter a integridade do processo legal que busca protegê-la.

A revogação, caso aconteça, não só diminui a proteção legal da ofendida, mas também envia um sinal preocupante sobre a seriedade e o comprometimento com as medidas protetivas. Este processo destaca a importância da conscientização e da aderência estrita às diretrizes judiciais por parte das vítimas de violência doméstica, sublinhando que o sistema de proteção só pode funcionar eficientemente quando ambas as partes, ofendido e ofensor, respeitam as determinações legais impostas.

Vinicius Vieira

Advogado Criminalista

Participe! Deixe um comentário.

Assine nossa newsletter

Se cadastre e receba conteúdos relevantes por email.

× Plantão 24h WhatsApp